Pequeno Manual do Astrólogo Amador Artificial

De nuvem
Ir para: navegação, pesquisa

Pequeno Manual do Astrólogo Amador Artificial


A Astrologia Artificial vem se firmando mais e mais como um ramo da ciência contemporânea extremamente útil para a compreensão de si e do mundo à nossa volta. Um sem-fim de artigos e estudos surgem a cada dia na Internet e imprensa especializada. Apesar das reações da astrologia tradicional e da ciência - já esperadas em se tratando de um pensamento inovador e de certa forma subversivo - o número de interessados só vem aumentando. É verdade que para um campo tão novo, a quantidade de polêmicas entre seus praticantes é grande. Porém não vou usar esse espaço gentilmente cedido para descer a esses baixios; eles não ameaçam a reputação desse astrólogo nem a dos dados que sustentam nossa filosofia. Em vez disso, no intuito de estimular a difusão da nova astrologia, vou detalhar uma das principais ferramentas para o interessado em pesquisar seus próprios mapas, em parte desenvolvida por esse que vos escreve.

Astrologia Artificial trata da posição dos satélites lançados pelo homem em relação às constelações do zodíaco e aos planetas. É evidente que o astrólogo vai necessitar calcular essas posições para fazer mapas astrais. As ferramentas da velha astrologia, além de obviamente não incluírem a trajetória dos satélites, não leva em conta o movimento de precessão da Terra, continuando a se basear na posição das constelações no ano 1000 antes de Cristo. Esse atraso de 3 mil anos é inaceitável para o astrólogo artificial. Porém o fato de sermos fidedignos aos céus dos dias de hoje faz com que as inovações criadas para a astronomia sejam também úteis para nossos mapas. Uma dessas ferramentas, por exemplo, é o software Stellarium.

O Stellarium é um software livre, de código aberto, disponível para diversas plataformas. Ele proporciona uma das experiências mais instigantes que um computador pode proporcionar: um céu estrelado como quase nunca se pode ver hoje em dia. Escolha sua localidade, a data e hora, e o programa vai mostrar o céu exatamente como seria visto naquele lugar e momento. Habilite a exibição de satélites e pronto: aí estão as informações que necessitamos. Mas há um porém: assim como a astrologia tradicional não olha para o presente, o stellarium despreza o passado.

O que acontece é que, ao contrário das constelações e planetas, os satélites derivam lentamente em suas órbitas devido a pequenas interferências como a influência da atmosfera, da ionosfera, micrometeoritos e do próprio lixo espacial. Essa deriva é monitorada constantemente, e informação da órbita corrigida é acessada a cada 3 dias pelo stellarium. Acontece que essa atualização só busca as informações atuais da órbita; as posições de mais de três dias no passado podem estar já incorretas.

O que pode parecer um detalhe técnico, implica na verdade em uma das características mais interessantes da astrologia artificial; ao contrário da tradicional, ela assume que é impossível prever o futuro, da mesma maneira que é impossível prever as órbitas dos satélites artificiais – e os lançamentos de novos corpos celestes que venham a ser realizados. A consequência disso é que temos um homem que é regido pelo caos, o acaso, a tecnologia, a geopolítica e não um homem preso às conjunções astrais que podem ser calculadas no momento em que ele nasce até sua morte.

Mas voltando ao nosso manual: para resolver o problema criado pela falta de registros passados no stellarium, criei um pequeno script que busca os registros das órbitas dos satélites numa data determinada. Para que funcione, é necessário alterar o configuração do plugin de satélites no programa, substituindo as fontes presentes (http://celestrak... etc) pela linha http://brunovianna.net/aa.php?date=AAAA-MM-DD, trocando AAAA pelo ano com 4 dígitos, MM pelo mês e DD pelo dia do mês. A criação do script só foi possível graças ao lançamento de uma API de busca de informações satelitais pelo site space-track.com. Explicações e instruções mais detalhadas podem ser encontradas no meu site: http://brunovianna.net/aa-stellarium.html

Ainda nos faltam diversas ferramentas importantes, como um inventário de satélites em órbita em uma data determinada e outros detalhes. Mas tenho certeza que a comunidade da AA vai pouco a pouco preencher essas lacunas.

Bons mapas!