Bernardo Gutierrez

De nuvem
Ir para: navegação, pesquisa

Quero escrever um livro num Pad, uma ferramenta livre para escrever textos colaborativamente. É muito usada por ativistas e por redes e movimentos como o 15M ou Occupy. Mas ninguém usa para fins artísticos. Criando um PAD público, aberto para tudo mundo, surgem situações inéditas no processo criativo. Por um lado, você abre sua criação. Qualquer pessoa pode ver o que você escreve em tempo real. É um livro em real time. Por outro, qualquer pessoa pode entrar no PAD e escrever no seu livro, ou apagar parágrafos seus, remixar.... E mais ainda: o PAD público desaparece, deleta, se ninguém usa o mesmo em umas semanas. Ou seja: se ninguém está lendo o livro, se ninguém está modificando o mesmo, morre. Ou é um livro vivo, eternamente em BETA, e você se esforça nisso, ou morre. Uma bela, ácida e poderosa metáfora para os que lidam com Cultura-Objeto, Literatura Solene. Além, é um grito contra o mercado, contra o copyright. Seria um livro invísivel, efímero, sutil, que um dia desaparece. Uma metáfora da arte, da criação, da vida, do ser humano. Um grito de vida, um desejo de morte. ‘Este libro se auto destrurirá' (que está sendo escrito já em espanhol mas que aceita qualquer língua) será uma espécie de diário de a bordo da residência, misturado com fição, poética, documentação.

http://titanpad.com/B0uFnJlwAa